Impressão em bloco de madeira ou xilogravura O que é impressão em bloco de madeira? Características e história

Método de impresión en madera tradicional.

A xilogravura ou impressão em bloco de madeira é uma técnica de impressão de textos, imagens ou desenhos em tecidos e papel.

O bloco de madeira é cuidadosamente preparado como uma matriz em relevo, o que significa que as áreas mostradas em branco são recortadas com uma faca, cinzel ou lixa deixando os caracteres ou imagem a serem mostrados em “preto” ao nível da superfície original.

O bloco é cortado seguindo o grão da madeira. Só é necessário pintar o bloco
e colocá-lo em firmeza e mesmo em contacto com o papel ou tecido para obter uma impressão aceitável.

Para a impressão a cores, são utilizados blocos múltiplos, cada um para uma cor, no entanto. A sobreimpressão a duas cores pode produzir mais cores na impressão.

História da Impressão em bloco de madeira

A grande onda, exemplo de impressão em bloco de madeira
A grande onda de Kanagawa é um dos exemplos mais famosos de impressão de blocos de madeira.

Os cortes de madeira são uma das mais antigas técnicas de impressão, utilizada para fazer páginas de livros e imagens posteriores.

Os primeiros vestígios de Impressão em bloco de madeira foram encontrados na China. Mais tarde, os japoneses adoptaram a técnica e levaram-na através dos séculos até ao auge do artesanato e da expressão artística.

As chapas de madeira estão entre as técnicas de impressão mais antigas, uma vez que foram originalmente utilizadas para esculpir e formar selos e carimbos. No entanto, a impressão não teria sido possível sem a invenção do papel. Os cientistas datam as origens da fabricação do papel até cerca de 105 d.C. na China.

Escultura em pedra provavelmente desenvolvida como a primeira tecnologia de impressão: as pedras foram esfregadas com papel molhado e tinta, criando uma caligrafia gravada. Mais tarde, ou em paralelo, foi desenvolvido o corte de madeira. O primeiro livro chinês impresso em madeira, o Diamant-Sutra de Dunhuang, data de 868 e é tão avançado tecnicamente que se assume que os blocos de madeira devem ter sido desenvolvidos muito mais cedo.

Existe uma gravura japonesa, “Dharanis”, datada de 770, que é fortemente influenciada pelas gravuras chinesas. Os Dharanis consistiam em orações budistas e tinham uma tiragem de um milhão de cópias. No entanto, não é claro se foram feitas a partir de placas de impressão em bloco de madeira. Em geral, as gravuras em blocos de madeira foram utilizadas nos primeiros séculos na China exclusivamente para divulgar textos e amuletos budistas.

+  Impressão a laser

Impressão em bloco de madeira na Europa

A impressão de blocos de madeira veio muito mais tarde para a Europa. Imprimir tecidos com uma matriz de madeira foi comum durante vários séculos. Contudo, a impressão de blocos de madeira teve de esperar até à introdução da produção de papel nas fábricas de papel na década de 1390.

As primeiras xilogravuras eram impressões de uma só página: imagens de figuras sagradas que eram utilizadas em tempos maus e cujas imagens ofereciam protecção. Foram coladas em capas de livros ou pregadas nas paredes. Por vezes, portas e tectos inteiros foram também cobertos com estas gravuras.

Estas primeiras impressões foram feitas à mão com uma muller. Por vezes eram também coloridas à mão pelos chamados “pintores de letras” com a ajuda de stencils. Mas estes pintores tiveram o cuidado de deixar as linhas visíveis.

Os cortes de madeira na Europa começaram a desenvolver o seu próprio estilo no final do período do Alto Gótico. Nessa altura, os cortes de linha eram o tipo de gravura mais comum. O desenho em chumbo preto dos vitrais góticos coloridos é semelhante em estilo a estes primeiros cortes de madeira. Foi só muito mais tarde, no século XIX, que se desenvolveram as gravuras-mestras altamente detalhadas. Eram frequentemente utilizados como ilustrações em livros.

Os livros em bloco seguiram impressões de uma página, que também foram prensadas ou esfregadas nas páginas. Uma vez que apenas um lado podia ser impresso, os lados em branco de duas folhas foram colados para criar uma única página. O texto também foi esculpido nos blocos de madeira, acompanhando as ilustrações impressas. Os temas mais populares dos livros do bloco eram a Bíblia do pobre homem, a dança da morte ou os livros dos planetas.

O livro de blocos sobreviveu à invenção do tipo móvel por volta de 1440. As palavras e imagens foram separadas e a proporção entre imagem e texto foi invertida. Nos livros de blocos, predominam as imagens em vez do texto. Foram agora feitos com a ajuda de prensas de impressão: blocos de madeira foram cortados à altura de letras de chumbo e encaixados na prensa de impressão.

+  Serigrafia. Tudo o que precisa de saber sobre serigrafia.

Hartmann Schedel e Albrecht Dürer e Impressão em bloco de madeira

Corte de madeira da apocalipse do trabalho
Madeira cortada por Albretch Dürer

Por volta de 1500, a impressão em talha floresceu na Alemanha central (Augsburg, Ulm, Nuremberga) e nos Países Baixos como ilustração de livros. Uma das obras mais importantes deste período é Schedel’s Weltchronik, ilustrada com 2.000 blocos de madeira, feita por cerca de 100 homens em 24 prensas de impressão em Nuremberga.

Nessa altura, era comum distinguir entre as diferentes pessoas envolvidas no processo de fazer cortes de madeira: a que desenha (artista), a que corta (entalhador) e a que a prensa em papel (gráfica).

O criador do desenho costumava permanecer anónimo, e apenas alguns artistas se distinguiram nesta arte. O primeiro foi Albrecht Dürer (1471-1528) de Nuremberga, que levou a xilogravura a um novo nível e transformou a arte. As suas grandes gravuras em madeira, especialmente o “Apocalipse” com a sua composição monumental e dramática, trouxeram fama e novo significado à xilogravura.

Morte e ressurreição da impressão de blocos de madeira

No século XVI, a gravura tornou-se a técnica de impressão mais necessária em toda a Europa. Assim, a impressão em bloco de madeira foram deslocadas, perdendo importância com a invenção da litografia e mais tarde da fotografia. Como resultado, continuou a ser principalmente um meio de impressão artística e não algo mais prático e económico.

No entanto, isto mudou com a abertura do Japão em 1867, que trouxe os blocos de madeira japoneses para o Ocidente, impressionando artistas como Gauguin, Munch e van Gogh. O bloco de madeira teve um significado especial no início do século XX para os expressionistas alemães da Brücke.

Processo e técnicas de impressão em bloco de madeira

Technique used in woodcut printing
Woodcut printing technique

A Impressão em bloco de madeira é uma forma de impressão em relevo e baseia-se no princípio de que as partes que não devem ser impressas são recortadas. Em vez disso, as cores são pressionadas sobre as partes em relevo, aplicadas como se fossem relevos, e estes são esfregados num pedaço de papel ou empurrados através da prensa, caso em que os relevos são invertidos.

+  Impressão a quatro cores. O que é? Tudo o que precisa de saber

As madeiras clássicas utilizadas para a Impressão em bloco de madeira são principalmente árvores de fruto, tais como pêra ou cerejeira, que produzem esboços ricos e detalhados. A cal e o choupo, por outro lado, são mais fáceis de cortar, mas também se desfazem mais facilmente. Hoje em dia, o contraplacado é também utilizado em blocos de madeira.

Na tradição ocidental dos blocos de madeira, as cores são prensadas e aplicadas ao bloco com um rolo. Nos blocos de madeira asiáticos, as aguarelas são aplicadas com um pincel e os motivos com tinta são esfregados em papel seco ou húmido.

Segue-se uma breve descrição do processo de impressão em bloco de madeira:

  1. O entalhador de blocos começa com uma peça de madeira plana – geralmente cerejeira – e pega no desenho prescrito e coloca-o virado para baixo no bloco.
  2. O pedaço de papel assim aplicado seria tornado transparente, esfregando-o com óleo e depois removendo o papel para que a imagem inversa da tinta fosse transferida para o bloco.
  3. O escultor esboçaria as áreas a serem tintadas/impressas em preto e, uma vez feito isso, esculpiria as áreas a serem deixadas brancas
  4. Esta parte do processo cria o bloco que será utilizado para imprimir as linhas pretas e é conhecido como o “bloco chave”.
  5. Este processo seria repetido para cada cor utilizada na imagem, resultando em blocos diferentes para cada cor.
  6. Para manter a precisão na impressão das diferentes cores numa única imagem/página, é utilizada uma chave de registo, geralmente um kagi (uma forma “L” em relevo que cabe num canto do bloco e no qual é colocado um canto da página) e um hikitsuke (uma barra em relevo que é normalmente colocada ao longo do bloco e no canto do hagi).
  7. O processo de impressão de uma única folha continua a utilizar os vários blocos e cores e a registar de novo a folha até que toda a imagem tenha sido completada a contento do artista.

Se quiser descobrir outros métodos de impressão para além da impressão em bloco de madeira, consulte a nossa secção de tipos de impressão, onde detalhamos diferentes tipos de impressão e as suas principais características e utilizações.

Pode também encontrar inspiração para os seus trabalhos de impressão nas nossas categorias de tipo de papel e de acabamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *